Minha lista de leis

Add this tool

Add this Dashboard

  • TU ES PETRUS ET SUPER HANC PETRAM AEDIFICABO ECCLESIAM MEAM

https://deiustitia-etfides.blogspot.com.br/


A esperança tem duas filhas lindas, a indignação e a coragem; a indignação nos ensina a não aceitar as coisas como estão; a coragem, a mudá-las. (Santo Agostinho) 




Não é o suplício que faz o mártir, mas a causa. (Santo Agostinho)

  •  

    https://plus.google.com/u/0/b/101431042668619193166/+DeiustitiaetfidesBlogspotBrdeiustitia-etfides


Benedicat tibi Dominus et custodiat te
Ostendat Dominus faciem suam tibi, et det tibi gratiam suam:
Volva Dominus vultum suum ad te et det tibi pacem


“A guerra é um massacre de homens que não se conhecem em benefício de outros que se conhecem mas não se massacram.”

— Paul Valéry




http://deiustitia-etfides.blogspot.com.br/




    • http://deiustitia-etfides.blogspot.com.br/


    -




  • Terrorista: Deus é maior… Jovem: …do que aquele que esconde o que não revela. Terrorista: Deus é maior… Mulher: …do aquele que obedece sem refletir. Terrorista: Deus é maior… Homem: …do que aquele que trama para nos trair.

    Tradutores de Direita

    domingo, 24 de junho de 2018

    Hoje é o aniversário de Maria Del Carmen Lopez Rey e Vânin Mariah

      Ajude Maria Del Carmen Lopez Rey e Vânin Mariah a comemorar seus aniversários   Sábado, 24 de junho   Maria Del Carmen Lopez Rey   Escreva na Linha do Tempo dela   Vânin Mariah   Escreva na Linha do Tempo dela    
       
       Facebook
       
       
    Ajude Maria Del Carmen Lopez Rey e Vânin Mariah a comemorar seus aniversários
    Sábado, 24 de junho
    Maria Del Carmen Lopez Rey

    Escreva na Linha do Tempo dela
    Vânin Mariah

    Escreva na Linha do Tempo dela
       
       

    Ir para o Facebook
       

    Organizar um evento
       
       

    Facebook, Inc., Attention: Community Support, 1 Hacker Way, Menlo Park, CA 94025
       

    segunda-feira, 7 de maio de 2018

    Hoje é o aniversário de Cleide Tosta Barrozo e Roxane Gracie

      Ajude Cleide Tosta Barrozo e Roxane Gracie a comemorar seus aniversários   Domingo, 7 de maio   Cleide Tosta Barrozo   Escrever na linha do tempo dela   Roxane Gracie   Escrever na linha do tempo dela    
       
       Facebook
       
       
    Ajude Cleide Tosta Barrozo e Roxane Gracie a comemorar seus aniversários
    Domingo, 7 de maio
    Cleide Tosta Barrozo

    Escrever na linha do tempo dela
    Roxane Gracie

    Escrever na linha do tempo dela
       
       

    Ir para o Facebook
       

    Organizar um evento
       
       

    Facebook, Inc., Attention: Community Support, 1 Hacker Way, Menlo Park, CA 94025
       

    segunda-feira, 30 de abril de 2018

    Redefinição de senha da conta do Microsoft

    Conta da Microsoft
    Código de redefinição de senha
    Use esse código para redefinir a senha da conta da Microsoft au*****@outlook.com.
    Aqui está o seu código: 4921910
    Se não reconhece a conta da Microsoft au*****@outlook.com, você pode clicar aqui para remover seu endereço de email dessa conta.
    Obrigado,
    Equipe de contas da Microsoft

    domingo, 18 de fevereiro de 2018

    Revolução Russa de Stálin devorou Maiakóvski | Revista Bula










    SEÇÕES 

    Início » Ensaios » Revolução Russa de Stálin devorou Maiakóvski

    Revolução Russa de Stálin devorou Maiakóvski



    No prefácio de “Maiakóvski — O Poeta da Revolucão” (559 páginas), do russo Aleksandr Mikhailov, com tradução esmerada de Zoia Prestes, Alexei Bueno nota “a riqueza metafórica e rítmica da poesia de Vladímir Maiakóvski, sua mestria no uso de hipérboles, seu humor cáustico, seu virtuosismo no jogo de palavras”. Àquele leitor que não quer apenas saber os fatos da vida do poeta, que dizia detestar fofocas, recomendo três livros: “Poemas”, de Maiakóvski, com traduções de Boris Schnaiderman, Augusto e Haroldo de Campos, “Poesia Russa Moderna”, com traduções do mesmo trio, e “Antologia PoétiCa”, de Maiakóvski, com tradução de E. Carrera Guerra.

    Maiakóvski matou-se, aos 36 anos, em 1930, quando Stálin, senhor do poder, havia expurgado adversários de peso como Liev Trotski e enquadrava aqueles que pensavam diferentemente da ortodoxia do partido.

    Por que Maiakóvski se matou, com um tiro no peito, se havia condenado o suicídio do poeta Sierguéi Iessiênin, em 1925? Mikhailov escreve, com pertinência: “A pessoa que deixa voluntariamente a vida leva consigo o mistério de sua decisão. Nenhuma explicação (inclusive as de Maiakóvski) penetra na essência real da atitude tomada. Elas somente entreabrem a cortina sobre o segredo, mas o próprio segredo permanece escondido atrás do final triste da vida. (…) Encontramos os motivos, mas o segredo permanece em segredo”.

    Há dois pontos centrais. Primeiro, a Revolução que Maiakóvski havia colaborado para criar e formular saía dos eixos e trabalhava para enquadrar, cercar e subordinar a literatura, sugerindo que só a literatura proletária era literatura. O poeta tentou se enquadrar, fez poemas engajados-proletários, produziu cartazes revolucionários, mas sua criatividade, tida como excessiva e contagiante, chocava os comunistas retrógrados e não era entendida pelas massas. Escritores geniais como Maiakóvski têm seu estoque de ingenuidade política e acreditam que podem influenciar as revoluções e os políticos, sem perceberem que, adiante, as revoluções, como a Bolchevique, começam a devorar seus próprios filhos. O saturno comunista de Lênin e Stálin devastou escritores, matando-os, enviando-os para morrer no Gulag ou exilando-os. Maiakóvski avaliou, errado, que poderia se adaptar. Acabou rejeitado pela política da literatura proletária, mais proletária, em termos de qualidade, do que literatura. Chegaram a boicotar a encenação de sua peça teatral “Os Banhos”. O biógrafo Mikhailov diz: “As circunstâncias de sua vida pessoal eram-lhe incontornáveis. Vivia em profundo estado de depressão e passava por uma crise de criação em face de confronto com o poder soviético, mesmo sem ainda ter a consciência do que seria no futuro, mas sentindo uma enorme pressão que privava a literatura do ar de liberdade”. Imagine, para um criador do porte de Maiakóvski, ter de produzir uma poesia de baixa qualidade, para ser compreendido pelas maiorias e aceito pela burocracia, que ele abominava. Essa burocracia medíocre não aceitava a sua sátira, seu modernismo.

    Segundo, Maiakóvski nutria paixão por duas mulheres casadas — Lília Brik e, nos últimos anos, Verônica Vitoldovna Polonskaia, a Nora. Quis se casar com Nora, chegou a procurar um apartamento, mas sua depressão e certa violência, assustadora num gigante como ele, incomodavam a atriz, que o amava.

    Provavelmente, ao sentir que a Revolução não era o paraíso libertário que imaginara e que era infeliz no amor, roído pela depressão, Maiakóvski optou por matar-se. Tinha certa consciência de que o futuro o aguardava… para entendê-lo. Mas, depois de sua morte, quando não mais incomodava, Stálin o transformou no poeta da revolução e, numa carta a Iejov, escreveu: “Peço que dê atenção à carta de Lília Brik. Maiakóvski foi e continua sendo o melhor e mais talentoso poeta da época soviética. A indiferença com a sua obra é um crime”.

    O bilhete do suicida

    Vladímir Maiakóvski matou-se no dia 14 de abril de 1930 e deixou um bilhete.

    A todos
    De minha morte não acusem ninguém, por favor, não façam fofocas. O defunto odiava isso.
    Mãe, irmãs e companheiros, me desculpem, este não é o melhor método (não recomendo a ninguém), mas não tenho saída.
    Lília, ame-me.
    Ao governo: minha família são Lília Brik, minha mãe, minhas irmãs e Verônica Vitoldovna Polonskaia.
    Caso torne a vida delas suportável, obrigado.
    Os poemas inacabados entreguem aos Brik, eles saberão o que fazer.
    Como dizem:
    caso encerrado,
    o barco do amor
    espatifou-se na rotina.
    Acertei as contas com a vida
    inútil a lista
    de dores,
    desgraças
    e mágoas mútuas.
    Felicidade para quem fica.


    Não entendem nada

    Entrei na barbearia e disse, sem espera:
    “Por gentileza, penteie-me as orelhas.”
    O meloso barbeiro ficou cheio de abelhas,
    seu rosto se alongou com uma pêra.
    “Mentecapto!
    Palhaço!” —
    saltaram as palavras.
    Insultos relincharam pelo espaço,
    e l-o-o-o-o-ngamente
    ouviu-se o rinchavelho
    de uma cabeça que brotou por entre a gente
    como um rabanete velho.

    O poema é de 1913, quatro anos antes da Revolução Russa de 1917. Mas a burocracia soviética, que queria poemas úteis à causa, podia compreender a sátira de Maiakóvski? Não, certamente. Tradução de Augusto de Campos.


    Hino ao crítico

    Da paixão de um cocheiro e de uma lavadeira
    Tagarela, nasceu um rebento raquítico.
    Filho não é bagulho, não se atira na lixeira.
    A mãe chorou e o batizou: crítico.
    O pai, recordando sua progenitura,
    Vivia a contestar os maternais direitos.
    Com tais boas maneiras e tal compostura
    Defendia o menino do pendor à sarjeta.
    Assim como o vigia cantava a cozinheira,
    A mãe cantava, a lavar calça e calção.
    Dela o garoto herdou o cheiro de sujeira
    E a arte de penetrar fácil e sem sabão.
    Quando cresceu, do tamanho de um bastão,
    Sardas na cara como um prato de cogumelos,
    Lançaram-no , com um leve golpe de joelho,
    À rua, para tornar-se um cidadão.
    Será preciso muito para ele sair da fralda?
    Um pedaço de pano, calças e um embornal.
    Com o nariz grácil com um vintém por lauda
    Ele cheirou o céu afável do jornal.
    E em certa propriedade um certo magnata
    Ouviu uma batida suavíssima na aldrava,
    E logo o crítico, da teta das palavras
    ordenhou as calças, o pão e uma gravata.
    Já vestido e calçado, é fácil fazer pouco
    Dos jogos rebuscados dos jovens que pesquisam,
    E pensar: quanto a estes, ao menos, é preciso
    Mordiscar-lhe de leve os tornozelos loucos.
    Mas se se infiltra na rede jornalística
    Algo sobre a grandeza de Púchkin ou Dante,
    Parece que apodrece ante a nossa vista
    Um enorme lacaio, balofo e bajulante.
    Quando, por fim, no jubileu do centenário,
    Acordares em meio ao fumo funerário,
    Verás brilhar na cigarreira-souvenir o
    Seu nome em caixa alta, mais alvo do que um lírio.
    Escritores, há muitos. Juntem um milhar.
    E ergamos em Nice um asilo para os críticos.
    Vocês pensam que é mole viver a enxaguar
    A nossa roupa brancos nos artigos?

    Poema de 1915, tradução de Augusto de Campos e Boris Schnaiderman.

    VEJA TAMBÉM





    19 capas de jornais e revistas: em 1964, a imprensa disse sim ao golpe - Notícias - UOL Notícias





    /





























    + CANAIS

    19 capas de jornais e revistas: em 1964, a imprensa disse sim ao golpe



    Mário Magalhães31/03/2014 09:50
    Compartilhe
    Imprimir Comunicar erro


    ( O blog está no Facebook e no Twitter )

    Na semana dos 50 anos do golpe de Estado, o blog compartilha uma coleção de 19 primeiras páginas de jornais e capas de revistas publicadas nas horas quentes do princípio de abril de 1964.

    Mais do que informação, constituíam propaganda, notadamente a favor da deposição do presidente constitucional João Goulart.

    Até onde alcança o conhecimento do blogueiro, as imagens configuram a mais extensa amostra (ficarei feliz se não for) do comportamento do jornalismo brasileiro meio século atrás.

    Trata-se de documento histórico, seja qual for a opinião sobre os acontecimentos.

    Desde já o blog agradece novas capas que eventualmente sejam enviadas por meio do Facebook e do Twitter. Caso venham, serão acrescentadas a esta exposição.

    Dos 19 periódicos aqui reunidos, oriundos de cinco Estados, 17 são jornais diários, alguns dos quais já não circulam, e dois são revistas hoje extintas.

    Apenas três se pronunciaram em defesa da Constituição: ''Última Hora'', ''A Noite'' e ''Diário Carioca''. Nos idos de 1964, os dois últimos não tinham muitos leitores.

    Os outros 16, em diferentes tons, desfraldaram a bandeira golpista.

    As fontes da garimpagem foram: Hemeroteca Digital da Biblioteca Nacional; Google News Newspaper Archive; sites e versões impressas de jornais; não menos importantes, blogs e sites, aos quais sou imensamente grato.

    É muito provável que, quanto mais capas se somarem, maior seja a proporção das publicações que saudaram o movimento que pariu a ditadura de 21 anos.

    Para não ser original e repetir uma expressão consagrada: em 1964, a imprensa disse sim ao golpe.

    * * *

    A Noite (Rio), 1º de abril de 1964: ''Povo e governo superam a sublevação''.

    Contrário ao golpe, jornal aposta no triunfo de Jango.




    Correio da Manhã (Rio), 1º de abril de 1964: ''(?) Estados já em rebelião contra JG''.

    Editorial clama pela deposição de João Goulart: ''Fora!''.




    Diário Carioca, 1º de abril de 1964: ''Guarnições do I Exército marcham para sufocar rebelião em Minas Gerais''.

    O jornal defendeu a Constituição.




    Diário da Noite (São Paulo), 2 de abril de 1964: ''Ranieri Mazzilli é o presidente''.

    O jornal dos Diários Associados trata a nova ordem como ''legalidade''




    Diário da Região (São José do Rio Preto, SP), 2 de abril de 1964: ''Exército domina a situação e conclama o povo brasileiro a manter-se em calma''.

    Depois do golpe com armas, o apelo por calma.




    Diário de Notícias (Rio), 2 de abril de 1964: ''Marinha caça Goulart''.

    ''Ibrahim Sued informa: É o fim do comunismo no Brasil.''




    Diário de Pernambuco, 2 de abril de 1964: ''Jango sai de Brasília rumo a Porto Alegre ou exterior: posse de Mazilli''.

    Governador constitucional Miguel Arraes, vestido de branco no Fusca, é preso e cassado.




    Diário de Piracicaba (SP), 2 de abril de 1964: ''Cessadas as operações militares: A calma volta a reinar no país''.

    No dia seguinte: ''Relação de deputados que poderão ser enquadrados: Comunistas ou ligações com o comunismo''.




    Diário do Paraná, 2 de abril de 1964: ''Auro Andrade anuncia posse de Mazzilli com situação normalizada''.

    No alto: ''Povo festejou na Guanabara vitória das forças democráticas''.




    Fatos & Fotos, abril de 1964 (data não identificada): ''A grande rebelião''.

    Uma revista em júbilo.




    Folha de S. Paulo, 2 de abril de 1964: ''Congresso declara Presidência vaga: Mazzilli assume''.

    ''Papel picado comemorou a 'renúncia' de João Goulart.''




    Jornal do Brasil (Rio), 1º de abril de 1964: ''S. Paulo adere a Minas e anuncia marcha ao Rio contra Goulart''.

    '''Gorilas' [pró-Jango] invadem o JB.''




    O Cruzeiro, 10 de abril de 1964: ''Edição histórica da Revolução''.

    Revista celebra um herói da ''Revolução'', o governador de Minas, Magalhães Pinto, um dos artífices do golpe.




    O Dia, 3 de abril de 1964: ''Fabulosa demonstração de repulsa ao comunismo''.

    Jango chegou ao Rio Grande do Sul no dia 2. De lá, iria para o Uruguai. ''O Dia'': ''Jango asilado no Paraguai!''.




    O Estado de S. Paulo, 2 de abril de 1964: ''Vitorioso o movimento democrático''.

    É a contracapa, porque a primeira página, era o padrão, só tinha notícias do exterior.




    O Globo (Rio), 2 de abril de 1964: ''Empossado Mazzilli na Presidência''.

    Título do editorial: ''Ressurge a democracia!''




    O Povo (Fortaleza), sem data: ''II e IV Exércitos apoiam movimento mineiro''.

    Quartel-general do IV Exército, no Recife, comandava a Força no Nordeste.




    Tribuna do Paraná, 2 de abril de 1964: ''Rebelião em Minas''.

    ''General Mourão Filho abre a revolta: 'Jango tem planos ditatoriais'.''




    Última Hora, 2 de abril de 1964: ''Jango no Rio Grande e Mazzilli empossado''.

    Jogando a toalha: ''Jango dispensa o sacrifício dos gaúchos''.

    A Lava Jato foi premiada em 2 edições do Global Investigations Review








    Marlos Ápyus em Notas

    A Lava Jato foi premiada em 2 de 3 edições do Global Investigations Review Awards

    Em 2017, a Lava Jato "derrotou" agência inglesa que investiga fraude, suborno e corrupção



    Em 2017, ocorreu a terceira edição do Global Investigations Review Awards, premiação que reconhece o trabalho de grandes investigações em todo o mundo. É uma iniciativa de publicação homônima especializada no noticiário jurídico.

    E, por causa da Lava Jato, o Brasil foi novamente premiado. A exemplo do que já havia ocorrido na primeira edição, a operação ganhou na categoria Enforcement Agency or Prosecutor – em tradução livre, Agência de Execução ou Procurador.

    O Ministério Público Federal derrotou a vencedora de 2016, um agência inglesa que investiga fraude, suborno e corrupção.


    Em três anos e meio, a Lava Jato emplacou forças-tarefas em quatro capitais (Curitiba, São Paulo, Rio de Janeiro e Brasília). Há ainda, por causa do foro privilegiado de alguns investigados, um “grupo de trabalho” atuando na Procuradoria-Geral da República – mas este costuma mais atrapalhar do que ajudar.

    Neste intervalo, foram oferecidas 130 denúncias criminais.

    Comunismo


    Rui Barbosa



    De tanto ver triunfar as nulidades, de tanto ver prosperar a desonra, de tanto ver crescer a injustiça, de tanto ver agigantarem-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar da virtude, a rir-se da honra, a ter vergonha de ser honesto.



    Os grilhões que nos forjavam


    Da perfídia astuto ardil...


    Houve mão mais poderosa:


    Zombou deles o Brasil!


    Consagração no Rito Bizantino - Igreja Ortodoxa
    Publicado em 29 de jul de 2014Consgração do Pão e Vinho, transformado em Carne e Sangue de Nosso Senhor Jesus Cristo, em uma Divina Liturgia celebrada por Sua Santidade, o Patriarca Cirilo, de Moscou e toda Rus'.
    Publicado por Vale de Beracá em Sábado, 9 de janeiro de 2016

    Não é o suplício que faz o mártir, mas a causa. (Santo Agostinho)


    • http://deiustitia-etfides.blogspot.com.br/


    -






    Da Justiça a clava forte











  • “Esta seita de homens que, debaixo de nomes diversos e quase bárbaros se chamam socialistas, comunistas ou niilistas, e que, espalhados sobre toda a superfície da terra, e estreitamente ligados entre si por um pacto de iniquidade, já não procuram um abrigo nas trevas dos conciliábulos secretos, mas caminham ousadamente à luz do dia, e se esforçam por levar a cabo o desígnio, que têm formado de há muito, de destruir os alicerces da sociedade civil. É a eles, certamente, que se referem as Sagradas Letras quando dizem: “Eles mancham a carne, desprezam o poder e blasfemam da majestade” (Jud. 8)”.




    A injustiça, Senhores, desanima o trabalho, a honestidade, o bem; cresta em flor os espíritos dos moços, semeia no coração das gerações que vêm nascendo a semente da podridão, habitua os homens a não acreditar senão na estrela, na fortuna, no acaso, na loteria da sorte, promove a desonestidade, promove a venalidade, promove a relaxação, insufla a cortesania, a baixeza, sob todas as suas formas.

    • Ruy Barbosa








    Alma de Cristo, santificai-me.

    Corpo de Cristo, salvai-me.

    Sangue de Cristo, inebriai-me.

    Água do lado de Cristo, lavai-me.

    Paixão de Cristo, confortai-me.

    Ó bom Jesus, ouvi-me.

    Dentro de Vossas chagas, escondei-me.

    Não permitais que me separe de Vós.

    Do espírito maligno, defendei-me.

    Na hora da minha morte, chamai-me.

    E mandai-me ir para Vós, para que Vos louve com os vossos Santos, por todos os séculos dos séculos.

    Amém.



    Google+ Followers

    Nossa Senhora de Medjugorje


    Posted: 05 Apr 2016 12:06 PM PDT

    MENSAGEM DA RAINHA DA PAZ EM 2 DE ABRIL DE 2016, À MIRJANA:

    “Queridos filhos! Não tenham corações duros, fechados e cheios de medo. Permitam ao Meu amor materno iluminá-los e preenchê-los de amor e de esperança, a fim de que, como Mãe, Eu cure as suas dores, pois Eu as conheço, por tê-las experimentado. A dor eleva e é a maior oração.

    Meu Filho ama, de modo especial, aqueles que sofrem. Ele Me enviou para curá-los e trazer-lhes a esperança. Confiem Nele! Eu sei que é difícil para vocês, porque veem sempre mais escuridão ao seu redor. Filhinhos, é necessário destruí-la pela oração e pelo amor. Aquele que reza e ama não tem medo, mas esperança e um amor misericordioso que vê a Luz que é o Meu Filho.

    Como Meus Apóstolos, convido-os a tentarem ser exemplo de amor misericordioso e de esperança. Rezem sempre e novamente, para terem o maior amor possível, porque o amor misericordioso traz a luz que destrói toda a escuridão - traz o Meu Filho. Não tenham medo: vocês não estão sozinhos: Eu estou com vocês!

    Eu imploro a vocês para rezarem pelos seus sacerdotes, a fim de que, em cada momento, eles tenham amor e ajam com amor, pelo Meu Filho -- através Dele e em memória Dele. Obrigada."










    - A BÍBLIA CONFIRMA A IGREJA


    “Antes de tudo, sabei que nenhuma profecia da Escritura é de interpretação pessoal.” (2 Pedro 1,20)-
    “Escrevo (a Bíblia) para que saibas como comportar-te na Igreja, que é a Casa do Deus Vivo, a coluna e o fundamento da Verdade.” (1Timóteo 3,15) -
    “Tu és Pedra, e sobre essa Pedra edifico a minha Igreja (...). E eu te darei as Chaves do Reino dos Céus; e tudo o que ligares na Terra será ligado nos Céus, e tudo o que desligares na Terra será desligado nos Céus.”(Mateus 16, 18) -
    “...Vós examinais as Escrituras, julgando ter nelas a vida eterna. Pois são elas que testemunham de Mim, e vós não quereis vir a Mim, para terdes a vida.”(João 5,39-40) -
    “Em Nome de nosso Senhor Jesus Cristo, apartai-vos de todo irmão que não anda segundo a Tradição que de nós recebeu.” (2 Tessalonicenses 3,6) -
    “Então, irmãos, estai firmes e guardai a Tradição que vos foi ensinada, seja por palavra (Tradição), seja por epístola nossa (Bíblia). ”(2 Tessalonicenses 2, 15) -
    “(Pedro,) apascenta o meu rebanho.” (João 21,15-17) -
    “Irmãos, sabeis que há muito tempo Deus me escolheu dentre vós (Apóstolos), para que da minha boca os pagãos ouvissem a Palavra do Evangelho.” - S. Pedro Apóstolo, primeiro Papa da Igreja de Cristo(Atos dos Apóstolos 15, 7) -
    “Eu roguei por ti, para que a tua fé não desfaleça. E tu, confirma os teus irmãos.” - Jesus Cristo a S. Pedro (Lucas 22, 31-32) -
    “De hoje em diante, todas as gerações me proclamarão Bem-aventurada.” - Maria, a Mãe de Nosso Senhor (Lucas 1, 48) -
    “Ainda que nós ou um anjo baixado do Céu vos anuncie um evangelho diferente do nosso (Apóstolos), que seja anátema.” (Gálatas 1, 8) -
    “Em Verdade vos digo: se não comerdes da Carne e do Sangue do Filho do homem, não tereis a Vida em vós mesmos.” (João 6, 56) -
    “Minha Carne é verdadeiramente comida, e o meu Sangue é verdadeiramente bebida.”(João 6, 55) -
    “O Cálice que tomamos não é a Comunhão com o Sangue de Cristo? O Pão que partimos não é a Comunhão com o Corpo de Cristo?” (1ª aos Coríntios 10, 16) -
    “E a fumaça do incenso subiu com as orações dos santos, da mão do anjo, diante de Deus.” (Apocalipse 8, 4) -
    “Aqui (no Céu) está a paciência dos santos; aqui estão os que guardam os Mandamentos de Deus e a Fé em Jesus.” (Apocalipse 14, 12) 
    - Porque já é manifesto que vós (a Igreja) sois a Carta de Cristo, ministrada por nós (Apóstolos), e escrita não com tinta, mas com o Espírito do Deus vivo, não em tábuas de pedra, mas nas tábuas de carne do coração (...); o qual nos fez também capazes de ser ministros de um novo testamento, não da letra, mas do Espírito; porque a letra mata e o espírito vivifica. (2Cor 3,3.6) - 

     



    Mário Kozel Filho


    “Servi ao Senhor com respeito e exultai em Sua Presença; prestai-lhe homenagem com temor.” (Sl 2,11)
    †   †   †
    Santíssima Trindade, Pai, Filho, Espírito Santo; adoro-Vos profundamente e ofereço-Vos o Preciosíssimo Corpo, Sangue, Alma e Divindade de Jesus Cristo, presente em todos os Sacrários da terra, em reparação dos ultrajes, sacrilégios e indiferenças com que Ele mesmo é ofendido. E pelos Méritos Infinitos do Seu Santíssimo Coração e do Coração Imaculado de Maria, peço-Vos a conversão dos pobres pecadores.

    GRAÇAS E LOUVORES SE DEEM A TODO MOMENTO, AO SANTÍSSIMO E DIVINÍSSIMO SACRAMENTO!

    Gruta de Lourdes

    Signis et portentis mendacibus

    Botafogo

    É tradição, não é moda. #soufogao #redesocial #botafogo #pracimadeles #fogoeuteamo #seusidolossaotantos #omaistradicional #naosecompara

    Uma publicação compartilhada por SOU FOGÃO (@soufogaooficial) em

    Che Guevara